Risco vs retorno

O risco é o valor que estás disposta a perder para tentar atingir uma determinada rendibilidade que não é garantida. O que significa que, quanto mais disposta a perder estiveres, maior é a probabilidade de ganhares e, por isso, dizemos que risco e retorno caminham lado a lado.

A verdade inquestionável é que todos os investimentos têm risco e isso é algo que está fora do nosso alcance controlar. Mas se estás a pensar que a solução passa por não investir para evitar correr riscos, estás enganada, vou começar por partilhar contigo alguns riscos financeiros escondidos.

 

Riscos financeiros escondidos

Risco de quando não investes, que se traduz no facto de existir uma ‘coisa’ que se chama inflação e que faz com o que teu dinheiro valha menos amanhã do que hoje. Ou seja, se estiveres a guardar o dinheiro debaixo do colchão, podes ter como garantia que ele amanhã vai ser menos do que é hoje.

Se tiveres a guardar num depósito a prazo, é importante que percebas se o que recebes anualmente, em termos de taxa de juro, retirando custos que a conta possa ter, está acima ou abaixo da taxa inflação. Se estiver abaixo, continuas a perder dinheiro. Neste caso é muito importante analisar através da taxa de juro líquida (depois de impostos) e não da taxa bruta (antes do pagamento de impostos).

Para ajudar nestas contas, antes de fazeres um investimento e, sempre que possível, pede uma simulação. Se investires 1000€ agora, quanto terás daqui a um ano? Essa é a pergunta que deves fazer. Em relação à taxa de inflação, basta procurares o seu valor no Google.

Quando vais ao supermercado, dás o teu dinheiro ao empregado para fazer as compras por ti? Então porque é que quando investes delegas a decisão dos teus investimentos noutras pessoas/instituições? Esta decisão também acarreta um risco. Um deles, prende-se com o facto da instituição, ou pessoa, escolher para ti o que é mais vantajoso também para ela. Ou por ter um número limitado de possibilidades que podem estar longe daquilo que melhor se adequaria ao que queres fazer com o teu dinheiro. Por isso, para reduzires este risco, não te desresponsabilizes das tuas decisões financeiras, lê, informa-te e toma as tuas próprias decisões.

Posto isto, percebemos bem que, se não investirmos e não nos preocuparmos de forma efectiva com os nossos investimentos, estamos claramente a correr riscos, o que significa que temos que tomar uma atitude e essa sim, pode ajudar a minimizar o risco, apostando naquilo que está ao nosso alcance fazer.

Como minimizar o risco dos meus investimentos

Ter um bom suporte: antes de partires para investimentos mais arriscados, deves criar o teu Fundo de Emergência e perceber que este é um dinheiro com o qual não queres correr nenhum risco, por isso, o objetivo é que o guardes num local que ressalve apenas a taxa de inflação anual. Depois disso e com o dinheiro que não precisas para viver, ou para fazer face a uma situação mais complicada, podes começar a fazer outros tipos de investimentos.

Conhecer nem o teu perfil de investidora: se ainda não sabes qual é o teu Perfil de Investidor passa no artigo Perfil de Investidor: Descobre o teu! e faz o teste, ele vai ajudar-te a tomar as melhores decisões em termos de investimentos.

Diversificar: a terceira estratégia passa por diversificar. Agora que já tens o teu Fundo de Emergência podes começar a pensar na reforma e depois noutros tipos de investimentos, por exemplo investimento imobiliário, ações, ETF, o que te fizer sentir confortável. O importante é não guardares o dinheiro todo no mesmo sítio.

Estratégia: ter uma estratégia em termos de investimento é fulcral para que tudo corra da melhor forma e evites tomar alguma decisão de forma impulsiva. Ou seja, é importante que definas um plano e, mesmo que o possa rever mais tarde, que vás investindo de acordo com aquilo que tens desenhado no teu plano.

Ter noção do tempo: e perceber que os investimentos e sobretudo os retornos não acontecem de um dia para outro. Mas, por outro lado, se não deres o primeiro passo, não acontecem nunca, por isso, muita paciência é uma característica essencial para quem quer ter uma estratégia de investimento.

Conhecimento: estudar o mercado, as opções que tens e conhecer bem os investimentos que fazes reduz drasticamente o risco dos teus investimentos, uma vez que estás apta a fazer as escolhas mais assertivas. E podes fazê-lo através de livros, mas sobretudo através de vídeos, podcasts e blogs de referência.

Para terminar, não podia deixar de partilhar contigo um quadro de níveis de risco que vi recentemente num livro e que adaptei, para que saibas que tipos de investimento podem acarretar mais risco e consequentemente mais retorno.

 

Classificação dos investimentos pelo seu grau de risco

Risco financeiro muito elevado

derivados e warrants

Risco financeiro elevado

ações, commodities e obrigações de dívida pública e privada com classificação de junk bond

Risco financeiro médio a elevado

Hedged funds

Risco financeiro médio

Imobiliário, obrigações de dívida privada com classificação de investments grade

Risco financeiro baixo

obrigações de dívida pública com classificação de investments grade

Risco financeiro muito baixo

depósitos, certificados de aforro, fundos de capital garantido, certificados do tesouro

*esta classificação teve como fonte o livro Tempos complicados, soluções simples