O que fazer com o dinheiro da poupança: investir ou pagar dívidas?

É claro que a resposta a esta questão é: depende muito de cada caso. Por isso, o que vou fazer hoje é apresentar os casos mais comuns em que esta questão se coloca e partilhar convosco qual é melhor opção em cada caso.

Mas, primeiro que tudo quero frisar bem o facto de que, quando estás a fazer uma poupança mensalmente, essa ‘poupança’ deve ter um nome, o que significa que deve ter um destino logo à partida, seja ele obras em casa, abatimento ou pagamento de uma dívida, uma viagem, fundo de emergência, compras nos saldos, enfim, o que for. E porque é que esta questão é importante? Porque é a única forma de não voltares a ficar sem uma resposta para a pergunta central do artigo de hoje, mas também porque, quando poupas com um objetivo, o teu foco é maior e a probabilidade de investires o dinheiro naquilo que realmente queres é muito maior.

Posto isto, se o dinheiro da poupança servir para pagar dívidas deves ter esse objetivo desde início e não ser algo como ‘ah, estou a poupar para alguma coisa e depois decido que afinal é para pagar dívidas’.

Utilizar poupanças para amortizar o crédito habitação, sim ou não?

Sempre que me dizem que vão utilizar o dinheiro da poupança para pagar um crédito habitação eu tenho um sentimento misto estre uma grande felicidade e alguma tristeza. Fico realmente feliz quando recebo mensagens a partilhar esta GRANDE conquista, porque é isso mesmo, uma grande conquista à qual muito poucas pessoas se propõem e muito menos ainda atingem. Mas, por outro lado penso, ou esta pessoa tem uma situação financeira muito tranquila (e ainda bem, muito feliz por vocês na mesma!), ou está a condicionar todos os seus outros sonhos por causa deste projeto.

Sim, é verdade, muito poucas pessoas conseguem abater a totalidade do crédito habitação porque o seu valor é realmente muito alto e por isso, quando alguém o faz, teve que poupar muito para este efeito e, acredito eu, deixar alguns sonhos de lado, ou até abdicar deles.

E vou aproveitar que já estamos dentro deste tema para dizer que, respondendo à questão colocada, depende da taxa juro que pagas pelo crédito habitação, mas em geral, este é dos poucos créditos que pode não compensar abater. Ainda assim, deixar de ter essa prestação mensal e poder canalizar esse dinheiro para outros investimentos também pode ser uma boa hipótese, quando queremos tirar peso de dívidas ao nosso mês para uma situação complicada no futuro.

Então, a primeira análise é mesmo esta: tenho 100.000€ em dinheiro e posso utilizar para 2 fins

– Pagar uma casa própria a pronto, sendo que se pedisse um empréstimo teria uma taxa de juro de 1%/ano (quando digo juro já estou a incluir todas as despesas, ou seja, estou a falar da TAEG )

– Ou investir em algo que me dá um retorno de 3% ao ano e aceitar o crédito habitação com uma taxa de juro de 1%

Claro que a longo prazo e imaginando que ambas as taxas se manteriam eternamente, a melhor opção seria investir. Mas, e se as taxas de juros não se mantiverem? E se o teu investimento não tiver liquidez e passares por uma situação complicada em que tens dificuldade em pagar as prestações mensais?

Não coloco estas questões de forma pessimista, mas sim para mostrar que, mesmo quando uma solução pode à partida parecer a melhor opção hoje, o que se vai passar no futuro também é importante. E é aqui que entra a analise do teu perfil de risco enquanto investidor, sobre a qual podes ler aqui.

Ainda assim, há decisões que são tomadas hoje e que podem ser corrigidas amanhã e ter essa liberdade de escolha deve ser sempre a tua primeira prioridade.

 

Fundo de emergência: utilizar ou não para abater dívidas?

Para terminar este artigo falta-nos analisar outro tipo de poupança que me perguntam muitas vezes se deve ser utilizada para abater dívidas: o fundo de emergência.

E neste caso a resposta é muito simples: NUNCA. O fundo de emergência nunca deve ser utilizado para abater uma dívida uma vez que é a tua rede de apoio para qualquer eventualidade. Do que serve teres os créditos pagos se, de repente, podes precisar de dinheiro e tens novamente que recorrer a um crédito?

Aliás, apesar de eu dizer que deves sempre pagar todas as tuas dívidas o mais rápido possível, a quem está comigo em treino, ou a quem me faz esta pergunta, também digo sempre que, ao mesmo tempo que o fazes (que pagas as dívidas) é crucial ires juntando dinheiro para o teu Fundo de Emergência para conseguires sair de um ciclo vicioso que não te traz nada de positivo e que te faz inevitavelmente recorrer ao crédito sempre que precisas de dinheiro para alguma eventualidade.

Se ficaram dúvidas sobre esta questão, já sabes, envia mensagem privada pelo Instagram, ou envia-me um email para info@economisses.pt.