O que é Independência Financeira?

O que é Independência Financeira? E com começar do zero esta conquista!

 
Hoje vamos falar sobre um tema muito querido aqui do econoMisses – independência financeira! Já falámos muito sobre o assunto e vamos voltar a ele muito mais vezes pela sua importância e abrangência, mas também porque é umas das batalhas deste projecto – a independência financeira feminina.
 
Eu sei que a maioria das pessoas considera independência financeira o facto de poder sair de casa dos pais e conseguir pagar as suas contas de forma autónoma, mas….
independência financeira é TÃO mais do que isso.
 
Independência financeira, explicada de uma maneira muito micro mega reduzida, é a liberdade de poderes tomar decisões. Ou seja, poderes escolher o local onde queres trabalhar, a casa onde queres viver, as pessoas com quem queres estar, sem que o dinheiro te obrigue a tomar decisões que não são exactamente aquilo que tu queres, ou seja, sem teres que te sujeitar.
 
E, se isto não te pareceu suficientemente relevante, vou dar-te um dado chocante – há muitos, MUITOS MESMO, casais que se mantêm juntos (casados) porque não têm liberdade financeira para poderem viver separados. Isto é muito triste, mas há factos ainda mais tristes, há mulheres (e homens também, claro!) que se continuam a sujeitar a uma vida de VIOLÊNCIA DOMÉSTICA porque não têm condições para sobreviver sozinhas. E é por isso que vamos abordar esta questão muitas vezes, porque esta é uma das principais razões pela qual o econoMisses existe.
 
Se ficaste assustada, não fiques. Vou ensinar-te a conquistar este teu espaço passo-a-passo. E, se conheces alguma amiga que precisa de dicas, diz-lhe para passar por aqui, ou lá pelo ‘nosso’ Insta.
 
 
Su, como é que consigo atingir essa independência financeira? Isso parece-me tão utópico!
 
Vamos começar por um nível básico, aquele nível de quem está atolado em contas para pagar e sem poupança nenhuma. É daqui que sei que muita gente começa, por isso, se estás um passo mais à frente parabéns! Se não estás, começa agora a construir o teu futuro.
 
Acaba com prestações
Por muito que aches que é mais fácil recorrer a empréstimos e ir pagando aos bocadinhos, vou ter que te dizer que essa decisão tem um GRANDE problema que se chama JUROS. Nada, ou quase nada, é possível ser pago em partes sem pagar juros. Ou seja, compraste um frigorífico em 24 meses, quando acabares, pagaste o frigorífico 2 vezes graças aos juros. ‘Então, como é que posso comprar o frigorífico se não tenho dinheiro para pagar a totalidade de uma vez?’ Simples, se for urgente, recorres ao teu Fundo de Emergência, se não for, fazes ao contrário, primeiro poupas mensalmente o valor do frigorífico e, quando tiveres a totalidade do valor, compras o frigorífico.
 
E assim funciona com tudo, carro, viagens, roupa, electrodomésticos, TUDO. Se não é urgente e não tens possibilidade, não compras e NÃO HÁ OUTRA FORMA DE GERIR O TEU ORÇAMENTO. Sim, a questão da compra da casa pode ser a ÚNICA excepção neste universo dos empréstimos e sobre ela vamos falar noutra ocasião, porque também há cuidados a ter.
 
 
Define um plano a longo prazo que contemple criar um Fundo de Emergência e começar a constituir poupanças
 
Ou seja, que te permita ter dinheiro disponível para algum problema, mas que também te permita ter uma poupança a longo prazo. Sim, tens dívidas agora, estás numa situação apertada agora, certo, só tens que ter consciência de que nada se resolve do dia para a noite. Começas por não contrair mais nenhum crédito, estabeleces uma forma de pagar os créditos que tens da forma mais rápida possível (mesmo que os tenhas que renegociar) e, em simultâneo separas dinheiro, todos os meses, para começares JÁ ESTE MÊS o teu fundo de emergência.
 
‘Mas Su, o dinheiro que recebo não dá para isso!’
 
Se não dá, tens duas opções, ou cortas gastos que tenhas e dos quais não precisas (televisão por cabo, ginásio, assinatura de revistas, dinheiro gasto em compras compulsivas, compras de supermercado que acabam no lixo, por aí..), ou arranjas forma de ter uma renda extra (vendendo coisas de que não precisas no OLX, arranjando um part-time, pedindo um aumento, vendendo serviços como engomar roupa, limpezas, baby sitting, fazendo peças de artesanato, participando em trabalhos pontuais como a apanha de fruta, ou embalando presentes no Natal, basta apenas alguma imaginação, eu já dei muitas ideias lá no insta).
 
 
Investe
 
O dinheiro do teu Fundo de Emergência deve estar num local que cumpra dois requisitos, não seja tão fácil de movimentar que possas utilizar para compras supérfluas e fácil de movimentar o suficiente para quando tens uma urgência – eu sugiro colocar em partes, ao longo de três meses, nos Certificados de Aforro. E porquê em partes? Porque os Certificados de Aforro pressupõem que não levantas o dinheiro nos três primeiros meses, logo, é importante colocares em partes, para, se durante aqueles três meses precisares, teres alguma disponibilidade.
 
Este é também um bom produto porque está totalmente disponível ao fim de três meses, mas, como é contratualizado com os CTT, tens que ir até lá e pedir uma transferência para a tua conta. O que significa ter tempo suficiente para pensares bem se vais ou não utilizar aquele dinheiro.
 
Este são os três primeiros passos cruciais para a tua independência financeira, sem eles estarás sempre longe de poderes tomar as tuas decisões sem estares pressionada por questões financeira, será o dinheiro a dominar-te a ti, em vez de seres tu a dominar o dinheiro. Se mesmo assim precisas de ajuda para passo-a-passo conseguires sair das dívidas em direcção a uma vida estável, sem corda na garganta, onde podes fazer as tuas escolha de forma equilibrada conhece o Treino de Finanças Organizadas e conta com a minha ajuda ao longo de 6 meses.