Hábitos Atómicos – Resumo do Livro

Estamos de volta com mais um resumo por tópicos de um dos nossos livros do mês, este do mês de Abril e relativamente ao qual podes ver todas as lives guardadas no Instagram AQUI e que se chama Hábitos Atómicos, de James Clear e que se quiseres comprar online, pode fazê-lo AQUI

Introdução
Livro prático para implementarmos hábitos importantes na nossa vida

Sintetiza e traduz para a vida real descobertas de pessoas ao longo dos tempos, mas também provas cientificas
O autor começa por contar a sua história, desde que foi atingido por um taco de basebol, até se recuperar a 100% e colocar-se acima da média
O modelo de um hábito tem quatro fases: gatilho, desejo, resposta e recompensa
O estabelecimento dos hábitos deve-se tanto a estímulos externos com internos

Capítulo 1: O surpreendente poder dos Hábitos Atômicos
Melhorar 1% a cada dia, de forma consistente leva a uma melhoria significativa ao longo do tempo
Ser 1% melhor por dia, durante um ano, em algo, faz-te 37,78 vezes melhor no final desse ano, pois os hábitos são os juros compostos do auto desenvolvimento. (1,01ˆ365 = 1,3778)
O caminho para conseguires colher estes resultados é focar nos processos que levam aos objetivos e não nos objetivos em si

Capítulo 2: Como os hábitos moldam a tua identidade (e vice versa)
Os nossos resultados são funções das nossas práticas, que por sua vez nascem da nossa identidade – a visão que temos de quem somos
Á medida em que acreditamos que somos algo, é muito mais fácil agir em consonância com essa crença, para assim gerar os resultados que queremos
A imagem que temos de nós nasce dos nossos hábitos. Esse ciclo é paradoxal. Então, tanto podemos mudar nossa identidade a partir dos nossos hábitos, ou seguir o caminho inverso.

Capítulo 3: Como estabelecer hábitos melhores em quatro passos simples
Um hábito é um comportamento que foi repetido de forma a gerar um resultado positivo uma quantidade de vezes o suficiente para ser automatizado
Eles são, simplesmente, soluções confiáveis para problemas recorrentes no nosso ambiente diário. E têm uma estrutura simples: um gatilho gera desejo, que por sua vez leva a um comportamento, que se bem sucedido gera uma recompensa.

Para estabelecer um hábito:
Torna o gatilho óbvio
Torna a situação desejável
Torna o comportamento fácil
Torna a recompensa satisfatória

Para quebrar um hábito:
Torna o gatilho invisível
Torna a situação indesejável
Torna o comportamento difícil
Torna o resultado insatisfatório

Capítulo 4: O homem que não parecia certo
A mente humana é uma máquina de fazer previsões e ter reações inconscientes
Cada vez que percebe uma pista, ativa um gatilho que leva a um comportamento específico automático, ou seja um hábito
O primeiro passo para lidar com os hábitos é entender quais são os teus comportamentos que estão automatizados e avaliá-los como desejáveis, neutros ou indesejáveis, dentro da perspetiva do seu benefício a longo prazo

Capítulo 5: A melhor forma de começar um novo hábito
Existem muitos tipos de gatilhos, mas os mais comuns são tempo e lugar
Estabelecer intenções de ação definindo o quando e onde, aumentam significativamente a oportunidade de uma pessoa agir em consonância com seus objetivos: ação + hora + local
“Empilhar Hábitos”: em que hábitos anteriores são gatilhos para hábitos posteriores, ou seja, depois do hábito atual farei o novo hábito

Capítulo 6: A supervalorização da motivação: o ambiente importa mais
O ambiente é a mão invisível que molda o comportamento humano
Lutar contra os gatilhos do ambiente é extremamente desgastante e infrutífero a longo prazo

É mais efetivo transformarmo-nos no arquiteto do nosso ambiente de forma a que ele destaque os gatilhos que precisas e esconda os gatilhos associados a comportamentos indesejados

Capítulo 7: O segredo do autocontrole
Quando os cientistas analisam pessoas com grande autocontrole percebem que não são super heróis, o que fazem melhor que as outras pessoas é criar ambientes que lhe proporcionam mais disciplina, esse é o segredo. Pois uma das formas mais efetivas de quebrar um hábito é ir à raiz e diminuir a exposição ao gatilho.

Capítulo 8: Como fazer um hábito ser irresistível
Um truque possível é associar algo que desejas com um hábito que queres estabelecer, como por exemplo, ver séries enquanto pedalas na bicicleta. O autor chama a este processo: embrulhar tentações.

Capítulo 9: O papel da família e amigos na estruturação dos hábitos
A cultura em que vivemos determina que comportamentos são ou não atrativos para nós. Temos o forte desejo de pertencer a uma tribo.
Tendemos a imitar os hábitos de três grupos sociais: os próximos (família e amigos), os muitos (a tribo) e os poderosos (os que têm estatuto e prestigio).

Capítulo 10: Como encontrar e corrigir as causas dos maus hábitos
Todos os comportamentos têm por trás um motivo ligado à nossa essência humana, como por exemplo: poupar energia, conseguir alimentação, ser amado, reproduzir, estabelecer laços sociais, ser aprovado, reduzir riscos, ter status e prestigio. O desejo é só a manifestação específica de um desses motivos.
Os hábitos são soluções dos dias de hoje para desejos mais antigos.

Capítulo 11: Caminha devagar, mas nunca recues
A ideia do que o que conta são as repetições e não o tempo que passa sobre um hábito. A prática está na base de tudo. Quantidade é mais importante que qualidade, porque quantidade leva a qualidade.

Capítulo 12: A lei do menor esforço
A Lei do Menor Esforço é algo comum à natureza e precisamos de ultrapassar esse obstáculo facilitando os nossos hábitos positivos. Reduzir a resistência do que queremos fazer tornando os hábitos fáceis.

Capítulo 13: Como deixar de procrastinar usando a regra dos 2 minutos
O nosso dia é feito de escolhas e as escolhas no final do dia vão ditar se tivemos um bom dia ou um mau dia. Estas escolhas acontecem em momentos decisivos, momentos esses que determinam as opções seguintes, ex. entrei num restaurante de carne à hora de almoço, logo não tenho a opção de almoçar sushi.
Fazer dois minutos de um novo hábito é o que basta para depois termos vontade de continuar. Mas se, mesmo assim for difícil, paramos e continuamos a fazer sempre 2 minutos até termos vontade de fazer mais e irmos melhorando o nosso hábito.

Capítulo 14: Como tornar os bons hábitos inevitáveis e os maus hábitos impossíveis
Automatizar e utilizar a tecnologia a nosso favor pode ser extremamente útil quando implementamos um novo hábito. Se queres poupar mas nunca sobra dinheiro no final do mês, podes simplesmente automatizar essa poupança para o início do mês e não pensar mais nisso.
A tecnologia também pode ajudar a cortar os maus hábitos, por exemplo bloqueando as redes sociais que nos incitam a procrastinar.

Capítulo 15: A regra de ouro da mudança de comportamento
Quando um comportamento traz uma recompensa imediata ele é automatizado pelo cérebro. Mas, habitualmente os comportamentos que temos como positivos e queremos estabelecer têm um preço elevado no momento presente para trazer a recompensa apenas no futuro. Então, criar prémios (mesmo artificialmente) para os comportamentos que queres estabelecer pode ajudar bastante. Como se fosse um programa de fidelização contigo mesma.

Capítulo 16: Como manter os bons hábitos dia após dia
Se conseguires perceber que os hábitos estão a surtir efeito, vais sentir-te mais motivada a continuar, por isso, mede os teu hábitos e inspira-te com o teu progresso. Se poderes automatizar esta medição, melhor.
Se falhaste sê compreensiva contigo e usa essa falha para melhorar pois não é ela que vai comprometer o teu desempenho.

Capítulo 17: Como um parceiro fiscalizador pode mudar tudo
Repetimos os maus hábitos porque sentimos que de alguma forma eles nos trazem algum beneficio e isso é o que dificulta o seu abandono. Mas para o eliminarmos podemos acelerar o processo de punição, fazendo com que ele chegue mais rápido. Assim, podes fazer contratos onde estabeleces as punições que tens com os maus hábitos de forma imediata e as pessoas que te podem ajudar com este processo e será mais fácil erradicá-lo.

Capítulo 18: A verdade sobre talentos
O segredo para ser bem sucedido, assim como para conseguir ter sucesso nos hábitos é usares as tuas competências para te especializares em áreas em que tens a probabilidade de ser melhor.
Hábitos que estão alinhados com talentos são mais fáceis de praticar e por isso leva a uma maior probabilidade de sucesso.

Capítulo 19: A regra dos Caracóis Dourados
Garantir que um hábito fica na zona de flow: em que não é difícil demais para não provocar a desistência, nem fácil demais para não provocar desinteresse.

Capítulo 20: O lado mau de criar bons hábitos
Quando dominas automaticamente os fundamentos de uma atividade, passas a libertar a mente para cuidar de detalhes mais avançados. Por isso, os hábitos são o pilar central da excelência. Mas, isto nem sempre é bom porque também entras em piloto automático e paras de evoluir, ou podes até mesmo regredir ligeiramente. Para contrariar esse ciclo é preciso ter momentos de prática do hábito de forma consciente para atingires a mestria.

Conclusão
Nesta parte o autor fala de uma série de conceitos/considerações interessantes sobre os hábitos e não é possível destacar uma porque todas são interessantes para pensarmos sobre elas.

E destaca a ideia de que nos hábitos não há uma meta final, se quisermos podemos estar em constante aperfeiçoamento e melhoramento, o que nos permite desenvolvimento pessoal contínuo.