fbpx

Como preparar financeiramente a chegada de um bebé

Sou mãe há 5 anos e por isso, como tenho a certeza que imaginas, tenho muitos amigos que estão na mesma fase que eu, a ter filhos! Certo? Errado!!

São cada vez mais as pessoas à minha volta que vão adiando o sonho da maternidade/paternidade porque sentem que ter um filho é dispendioso! Bem, também por outros motivos associados a liberdade de tempo e espaço, mas também pelo fator dinheiro.

 

Ter um filho é caro?

Bom, depende muito daquilo que imaginas para o teu filho. Se tens como objetivo colocar a criança num colégio privado desde os 6 meses, numa escola multilíngue desde os 3 anos, em todas as atividades extra que conheces até aos 15, no explicador a partir dos 16 e terminar a pagar a Universidade de Harvard, bem, é capaz de ser ligeiramente dispendioso, sim, não vou mentir.

Mas se o sistema oficial de ensino estiver bem para ti, se ir para uma universidade pública portuguesa estiver nas tuas metas (e nas dele) e se pretendes moderar as atividades extra escolhendo apenas aquelas que ele mais gosta, então, nesse caso, é possível ter um filho sem vender um rim e diria mesmo que a fase mais dispendiosa, à exceção de quando querem o seu próprio dinheiro, são mesmo os primeiros tempos, já que os berçários são ainda muito caros, ou a tua opção por ficar em casa mais tempo vai retirar-te uma parte substancial de rendimento mensal.

Sabias que, na grande maioria dos casos, as primeiras semanas de vida são passadas na farmácia a comprar mais uma data de coisas que tu nem imaginavas que existiam e que te levam em média uns 30/40€ por visita, que facilmente chega perto dos 400€/mês.

A boa notícia é que tens a hipótese de preparar tudo antes da chegada do teu bebé, aliás desde a altura em tomas a decisão de ser mãe, para que possas ter uma jornada financeiramente mais leve nesta aventura que será a maior da tua vida!

 

Porque é importante preparar financeiramente a chegada de um bebé?

Porque dessa forma consegues prevenir alguns imprevistos já que os terás planeado antes de acontecerem e te preparaste para eles

Porque os custos vão mudar, mesmo que não seja drasticamente, vão mudar

Porque a disponibilidade financeira também se vai alterar, principalmente se decidires ter uma licença superior ao ‘habitual’

Para te dar tranquilidade numa área da vida (a financeira) quando chega um turbilhão de mudanças e emoções que é ter um bebé

 

Planear as despesas médicas

Aqui existem duas opções muito claras, ou sentes que és bem acompanhada pelo sistema nacional de saúde, o que sei que nem sempre acontece, mas no meu caso arrisco a dizer que tive um serviço muito melhor do que qualquer privado me poderia oferecer e paguei 0€.

Ou escolhes ser seguida no privado, sei que muita gente o sente como uma segurança e longe de mim condenar essa opção. Neste caso o ideal é que comeces o quanto antes a procurar um seguro de saúde que cubra todas as tuas necessidades, lê bem todos os acordos e coberturas e tem especial atenção ao período de carência (o tempo que decorre desde que subscreves o seguro e o podes de facto utilizar).

 

Escolhas financeiras que podes fazer desde já para equilibrar a tua vida financeira

Cortar no que não é assim tão relevante para ti, ou simplesmente fazer trocas que te fazem poupar dinheiro e continuar a usufruir de algo que valorizas. Podes eliminar o ginásio e trocar por caminhadas, podes substituir o cinema todos os fins de semana pela assinatura da um serviço de streaming.

Eliminar todos os créditos ficando apenas com o crédito habitação. Esta é uma escolha que te vai permitir ter mais disponibilidade no teu mês para as novas despesas que virão.

Renegociar dívidas sempre que não for possível fazer o pagamento das mesmas para, mais uma vez, conseguires ganhar disponibilidade no teu mês.

 

Poupança

Há duas poupanças que considero fundamentais: uma poupança para tudo o que precisas de comprar para o bebé (berço, carrinho, roupas, etc.), e uma poupança para os primeiros tempos de vida do bebé (lembras-te que no início deste artigo te contei que nas primeiras semanas facilmente deixas 400€/mês na farmácia a comprar algo que nem sabias que existia?).

 Há ainda uma outra poupança, que muitas vezes não precisa de ser criada de raiz, precisa apenas de ser reforçada – o fundo de emergência da família. Se não tens é importante criar, se já tens é apenas importante reforçar para que te sintas mais tranquila para fazer escolhas de acordo com a tua vontade, por exemplo, ter uma maior licença de maternidade, ou escolher um berçário mais caro que te dá mais confiança.

 

Por fim quero fugir ao tema de como preparar financeiramente a chegada de um bebé para te dar algumas dicas práticas sobre as compras que fazemos para os bebés, principalmente se fores mãe de primeira viagem.

Evita comprar muitos brinquedos, numa primeira fase o melhor que podes dar ao teu bebé é coloco, atenção e objetos do dia a dia, inofensivos claro, para ele brincar

Não te deixes levar pelo impulso, é mesmo uma fase em que estamos mais sensíveis e dispostas ao consumo, mas uma coisa que vais perceber é que tudo se vai usar muito poucas vezes

Procura opções me segunda mão, berços, roupa, alcofa, cama, móveis para o quarto, carrinho, tudo se vende em segunda mãe e geralmente está em ótimo estado porque é muito pouco utilizado.

Pede emprestado, dessa forma contribuis para um mundo mais sustentável e para uma vida financeira mais equilibrada.

Não compres aquilo que ainda não sabes se vais precisar. Por exemplo, algo que aconteceu comigo, não comprei, mas ofereceram-me uma bomba de leite que nunca utilizei e que acabei por vender nova. Mas há quem compre chupetas que os bebés nunca chegam a utilizar, biberões, esterilizadores, etc., etc., etc..

Agora que já sabes que podes preparar a chegada de um bebé de forma mais económica ser mãe é algo que passou a estar nos teus planos?