As minhas 7 fontes de receita atuais

Hoje quero responder mais uma vez a uma das perguntas que me fazem de forma incessante no Instagram e que é difícil explicar em poucas palavras, mas ideal para discorrer aqui, num artigo dedicado ao tema.

 Falo muito sobre renda extra porque acredito que ela nos pode ajudar a vários níveis. Serve para pagar uma dívida, serve para quando não conseguimos poupar para constituir a nossa segurança financeira, serve para quando queremos investir, mas o dinheiro não sobra, porque temos demasiadas despesas, mas serve para algo que, para mim, é ainda mais importante, serve para nos dar liberdade de movimento e menor dependência. Vou explicar tudo ponto por ponto.

Quando tens várias fontes de receita que te podem ajudar caso uma ou outra falhe, sentes-te, por exemplo, com mais confiança para tomar decisões e sentes que, se arriscares mais em determinado momento, não corres o risco de perder tudo. Imagina que tens um trabalho por conta de outrem das 9h às 18h e que, neste momento, esse trabalho, seja pela razão que for, já não te satisfaz. Se tiveres outras fontes de renda que não apenas a do teu trabalho, vai sentir-te mais livre para tomar a decisão de mudar, porque o pagamento das tuas contas não depende única e exclusivamente do teu ordenado.

Confesso que esse continua a ser um dos meus dois grandes objetivos de vida em termos financeiros, ter cada vez mais fontes de receita que me permitam estar ainda mais descansada caso um deles falhe, ou caso queira tomar decisões importantes sem ter o dinheiro como condicionante. Mas sei que não é isso que queres saber, o que queres saber é que fontes de receita tenho eu neste momento e é isso que te vou contar agora mesmo.

Primeiro, quero dizer-te que tenho os dois tipos de fontes de renda que existem, ativa e passiva. O que significa que para alguns deles invisto o meu tempo diariamente, ou várias vezes por semana e para outros vou simplesmente controlando o seu desempenho ou fazendo pequenas ações pontuais. Decidi também tentar colocar as fontes de receita por ordem decrescente, ou seja, do que me dá mais rendimento para o que me dá menos. Vamos começar?

Negócio próprio

Como sabes, há cerca de 7 meses, eu e a Inês juntámo-nos como sócias e decidimos criar a primeira Academia de Finanças Pessoais Femininas, o Finanças no Feminino, onde temos entre outros serviços a Comunidade à qual dedicamos a maior parte do nosso tempo e conhecimento numa partilha incessante que nos dá muito prazer.

Trabalho por conta de outrem

Mantenho o meu trabalho por conta de outrem uma vez que neste momento estou em teletrabalho e o tempo que perdia em deslocações (mais e 3 horas por dias) me permite dedicar ao negócio próprio o que torna, por agora, ambos os projetos perfeitamente conciliáveis.

Investimentos

Esta é a minha terceira fonte de rendimento e a primeira passiva. Neste momento encontra-se nesta posição e em crescimento, mas quero que se torne a minha primeira ou segunda fonte de receita a longo prazo. Estes investimentos são todos em ativos financeiros, ou seja, em bolsa, aplicações de baixo risco e de forma residual P2P.

Projeto pessoal

O econoMisses também é uma fonte de receita ativa e que gera receita essencialmente com publicidade que pode acontecer tanto aqui no Blog como na página de Instagram. Este projeto acaba também por se traduzir em receitas no negócio próprio e, por isso, apenas posso mensurar o que é em exclusivo deste projeto como os patrocínios.

Livro econoMisses

Esta é uma das minhas mais recentes fontes de receita e lamento se te desiludi com o lugar em que se encontra, mas a verdade é que escrever um livro trás muitas coisas positivas como reconhecimento, autoridade, realização pessoas, mas está longe de trazer muito dinheiro a não ser que seja um sucesso internacional de vendas. Ainda assim, é das fontes de receita que mais tem o meu carinho e sem dúvida uma das mais especiais.

Afiliados

Para terminar tenho uma fonte de receita que neste momento está um pouco esquecida por falta de tempo, mas à qual me pretendo começar a dedicar no próximo ano que é a afiliação, ou seja, promover um produto ou serviço que não é nosso, mas no qual acreditamos, que já testámos e que faz sentido partilhar com a nossa comunidade. Quando alguém compra o que tu recomendas ganhas uma percentagem dessa venda.

Venda pontuais

Embora este último ponto saia do que considero fonte de renda extra porque tem um limite (não posso vender tudo o que tenho em casa) vendo sempre as coisas quando já não preciso delas, à exceção da roupa, porque prefiro doar. Mas esta é também uma fonte de renda pontual, embora pequena, mas que pode servir para reforçar por exemplo o fundo de emergência.

Para terminar, é importante lembrar que nem todas as fontes de receita são mensais, algumas delas são pontuais, semestrais, anuais, ou apenas se concretizaram com uma venda efetiva, mas não é o facto de ser uma receita mensal que torna a fonte melhor ou pior e é muito importante termos isso em mente. Quero também lembrar que esta é a minha experiência e não uma recomendação, o que gostava que fizesses é que lesses e tirasses ideias do que tu podes fazer de acordo com a tua realidade e com a tua disponibilidade.